Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


domingo, 15 de novembro de 2009

Veja por que o Quick Shift facilita a pilotagem do barco

Reprodução/Náutica

O senso comum diz que câmbio automático em barcos seria algo sem sentido, porque eles só têm uma marcha avante, ao contrário dos automóveis, que possuem cinco ou seis engrenagens diferentes. Mas não é bem assim... O reversor Quick Shift, fabricado pela Twin Disc, pode mudar a opinião de muita gente. A diferença entre manobrar um barco com um reversor comum (que liga o virabrequim do motor ao eixo do hélice, fazendo, no caso, com que se reverta o sentido de giro dele e movendo-se assim o barco para a frente ou para trás) ou com o Quick Shift é a mesma que dirigir um carro com câmbio mecânico ou automático. Com ele, o piloto tem controle total da rotação dos hélices, tornando as arrancadas e as mudanças de velocidade muito mais suaves e totalmente sem solavancos. Mas essa é apenas uma das peculiaridades do Quick Shift, entre outras. Como estas aqui:

Com a função “troll/docking” (patinagem proposital dos discos da embreagem), consegue-se, por exemplo, manter um barco de 48 pés a menos de 1 metro de uma estaca e na correnteza do canal.

Seu engate é extremamente suave e tem a função “express”, que combina duas outras, a “troll/docking” e a “cruiser”, permitindo passar da primeira para a segunda sem se preocupar em programar o reversor para a nova função. Se você fizer isso com um equipamento comum, os discos de embreagem serão fritados dentro da caixa mecânica do reversor.

O Quick Shift pode inverter a rotação dos eixos de maneira automática, caso o piloto engate acidentalmente a ré em alta velocidade, evitando assim danos para o conjunto motor/propulsor do barco.

É compatível com todas as marcas de comando eletrônico, mas a função “express” só é acessada com um comando da própria Twin Disc.

Seus únicos inconvenientes são o preço (cerca de 10% a mais que um reversor comum) e, como seu acionamento é automático, é preciso tomar mais cuidado na instalação e manutenção.

É um equipamento importantíssimo a bordo, mas não vem de fábrica em nenhuma lancha.

É muito útil e prático também em reversores com duas marchas para a frente: uma para arrancadas e outra para velocidades de planeio.

Pode ser instalado em qualquer lanc a com motor de centro ou centro-rabeta a diesel e está disponível para motores de 600 a 3 000 hp, ou seja, quase sempre apenas para barcos acima dos 25 pés.


 Da Náutica 227 postado em http://www.nautica.com.br/noticias

Nenhum comentário:

Postar um comentário