Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


sábado, 20 de novembro de 2010

Aprendendo a fazer cocadas

Se preparando para não sentir falta dos doces brasileiros e talvez ainda engordar o caixa de bordo, a tripulação do Tres no mundo foi la em casa fazer uma "oficina de geleias e cocadas" com a Rô.E olha que acertaram na mão,ficaram muito gostosas!


.

Entrando na marina .

Pense num cabra macho e bom de pontaria, porque pra entrar nessas condições no minimo tem que ter pontaria rsrsrs.

Diário do Avoante 20000



Parabens ao Diário do Avoante por ter atingido o expressivo numero de 20.000 visitas.
Isso é que é um blog ARRETADO.
.

Regata Natal/Pirangi do Norte

Neste Sábado, vai acontecer a regata Natal/Pirangi. A regata larga do Iate Clube do Natal às 9 horas da manhã com previsão de chegada a praia de Pirangi do Norte às 14 horas. A comissão de regata, presidida pelo comandante Erico Amorim, está organizando um jantar de confraternização na sede da APURN e promete muita festa aos velejadores. As inscrições podem ser feitas na secretaria do clube.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Confira as dicas de um especialista para montar o kit de primeiros-socorros do barco





Apesar de a Marinha não mais exigir um kit de primeiros socorros a bordo de embarcações que transportem menos de 15 pessoas, nunca é demais estar preparado. Como a dura experiência já ensinou, acidentes acontecem — e o que deveria ser um alegre passeio pode virar um drama médico. “Cansei de atender pessoas que não tinham sequer gelo para pôr em cima de uma pancada a bordo”, conta o médico ortopedista — e amante do mar — Pedro Ivo de Carvalho, chefe da seção de cirurgia de quadril do Hospital do Servidor do Rio de Janeiro. Com a experiência de quem também trabalhou durante anos no setor de traumatologia do hospital Copa D’Or, no Rio de Janeiro, e possui uma lancha em Angra dos Reis, Pedro Ivo garante, no entanto, que um bom estojo de primeiros socorros não precisa ser grande: basta ser efi ciente! “Não adianta ter um hospital a bordo se as pessoas forem leigas em medicina”, explica.

Medicamentos injetáveis, por exemplo? Esqueça. Analgésicos? Também são dispensáveis — “No caso de dor, use Novalgina mesmo”, ele aconselha. Torniquetes? Menos ainda. “Basta comprimir o ferimento por cinco minutos, que, se não for uma lesão grave, o sangue estancará”, ensina. Para Pedro Ivo, o mais importante mesmo é não faltar gelo a bordo. “É um santo remédio”, brinca. “Para traumatismos, ponha gelo picado em um saco plástico, em volta do ferimento. Serve, também, para sangramentos”, diz. Mas aconselha: “Se for algo mais grave ou continuar doendo muito, volte e procure um médico”.

Correr para um posto médico é também a medida acertada em casos de cortes em cascas de mariscos, que causam muita dor e têm cicatrização difícil, por causa das impurezas do mar. “Talvez seja preciso dar pontos ou tomar vacina antitetânica, porque a bactéria causadora do tétano pode estar presente nas cascas dos moluscos.” Já para suspeitas de fraturas (é sempre bom lembrar que tombos são freqüentes a bordo, por causa do movimento dos barcos), Pedro Ivo recomenda ter a bordo um kit de imobilizadores infláveis, como os da marca Ready Splint, importados. “Eles são muitos efi cientes”, garante, com a autoridade de quem é do meio. “Esses imobilizadores podem ser encontrados nas casas de produtos para saúde, como as redes Tecnomed (www.tecnomed.com.br), Medshop (www.medshop.com.br), Rimed (www.rimed.com.br) e Palmipe (www.palmipe.com.br), e na loja Ortline (tel. 11/3031-4546)”, explica.

Mas, como todo mundo está cansado de saber, mais importante do que ter um arsenal de medicamentos no estojo de primeiros socorros, bom mesmo é adotar medidas preventivas contra acidentes a bordo. Segundo ele, os riscos mais freqüentes são: 1) passar de uma lancha para outra sem tomar o devido cuidado; 2) crianças correndo a bordo com o piso molhado; 3) ficar de pé, pulando ou dançando na proa dos barcos. Ou seja, todos perfeitamente evitáveis.

O que, segundo o dr. Pedro Ivo, não deve faltar na farmacinha de bordo
• Kit de imobilizadores infláveis, para torções e fraturas
• Remédios contra enjôo, como Dramin e Plasil
• Gelo, para diminuir inchaços e dores
• Algo à base de iodo, como Povidine, para pequenos cortes
• Xylocaína e pasta contra queimaduras, como Picrato de Butesin
• Antialérgico à base de epinefrina, contra picada de insetos
• Hipoglós, contra assaduras infantis, freqüentes na água
• Novalgina e Aspirina, para aliviar dores
• Pinça para farpas e espinhos, como o de ouriços
• Ataduras, esparadrapo e tesoura, para curativos

Postado na Nautica

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Feriadão com muita festa!

Depois de alguns dias afastado por excesso de festas, estou de volta para contar um pouco sobre elas.

No ultimo domingo quando chegávamos ao clube a Ro e eu, encontramos o Nelson a Lucia e o Zanella que saiam para o sitio do irmão da Lucia,Saulo Jr. nos convidaram para acompanha-los e não tivemos duvida em entrar no carro e ir junto.

Foi um encontro muito legal regado a muita bebida e muita comida, com um bom bate papo entre uma turma divertidíssima que teve até telefonema para o Zezo um cantor natalense famoso e que faz parte do circulo de amizades do Saulo Jr. que infelizmente não pode comparecer para termos uma canja de suas musicas.

A noite fomos convidados para dormir na casa do Elder e da Dulce,um lugar muito bonito e agradável  onde fomos super bem recebidos.

Na segunda pela manhã começamos os preparativos para mais uma festa, dessa vez seria na casa da Dulce onde ela e o Elder recepcionariam os cruzeiristas que estariam de partida para Galinhos na terça a noite. Foi mais uma festa com a marca do nordestino, muita comida, muita bebida e acima de tudo muita hospitalidade fazendo com que os convidados sintam como se estivessem em casa. E foi assim nessa festa em que compareceram os tripulantes do Guga Buy, do Flyer, doTuareg, do Travessura além de uma velejadora francesa que viaja só e também iria para Galinhos. Também estavam nossos amigos do grupo de vela, Nelson e Lucia, Eilson e Isolda com os filhos, Afonso, Fabiola e Isadora, Lula Barreto e o Zeca do Borandá, todo esse povo curtindo muita musica boa, que ficou a cargo do velejador e DJ da maior competência, Paçoca que estava com a esposa e a filha.

Na terça voltamos para o clube para o RO(restos de ontem) no almoço pois ainda tinham algumas picanhas para arrematar a festa. Depois foi a parte mais chata que é dar tchau para os amigos que iriam partir. Porem isso faz parte da vida, conhecer-mos pessoas, ve-las partir mas ficarmos com boas lembranças e torcer para que nossos caminhos tornem a se cruzar.Que bons ventos levem o Guga Buy,Luthier,Flyer,Tuareg,Temüjin ao Caribe.

Gostaria de agradecer ao Nelson e a Lucia e ao Elder e a Dulce pelo ótimo feriadão que nos proporcionaram.