Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


sexta-feira, 25 de julho de 2014

CURSO/CHARTER DE VELA DE CRUZEIRO

Uma boa dica pra quem quer aprender tudo sobre a vida de cruzeirista, faça uma imersão nesse mundo por 04 dias.

A vela de cruzeiro cresce a cada dia no Brasil, seguindo a esteira de vários países do mundo que não tem um litoral do tamanho e diversidade do nosso. Embarcamos nessa ideia há nove anos e estamos vivendo os melhores anos de nossas vidas morando a bordo do Avoante durante todo esse tempo, conhecendo lugares maravilhosos e navegando por paisagens quase intocadas do litoral. Faz tempo que divulgamos essa vida nas páginas do jornal Tribuna do Norte, na coluna dominical Diário do Avoante, e também aqui nesse blog. Montamos o curso para aqueles que têm sonhos e planos de um dia soltar as amarras e se fazer ao mar a bordo de um veleiro de oceano, para navegar em pequenos passeios pelo litoral ou em longas travessias oceânicas. Como bem diz um amigo: “Curso de Marinização”.
Agora, depois de dois anos oferecendo o curso no formato teórico/prático e observando as necessidades e sonhos dos alunos, demos um bordo e traçamos um novo rumo, onde o aluno permanece a bordo durante os quatro dias de duração do curso, vivenciando inteiramente a vida dentro de um veleiro de oceano, Curso/Charter.
Programa:
  • O que é vela de cruzeiro
  • A escolha do barco
  • Planejamento de um cruzeiro
  • Navegação em barco a vela
  • Noções das regras de navegação
  • Carta Náutica
  • Traçar rotas
  • Navegação com GPS
  • Uso da bússola
  • Navegação com piloto automático
  • Tábuas de Marés
  • Noções de Meteorologia
  • Noções de segurança na navegação
  • Navegação noturna
  • Noções de ancoragem
  • Alimentação
  • Vestuário
Preço por pessoa:     R$ 1.500,00 (alimentação inclusa)




quarta-feira, 23 de julho de 2014

Um sopro de vida na vela de Natal

 

Com objetivos claros, de ver a classe Snipe, de veleiros monotipos, novamente fortalecida, entre as flotilhas Potiguares, o Iate Clube do Natal Atravez de seu diretor de vela, Ricardo Barbos, abriu um importante espaço para esse técnico e competitivo barco.
Sob o comando do velejador e instrutor de velas Alexandre, cinco veleiros estiveram desfilando suas velas sábado à tarde, no estuário do Potengi.

IMG-20140721-WA0003

]IMG-20140721-WA0004

Na esteira dos Snipes, já estão preparados também 04 laser ( RADIAL e STANDART), para reiniciar a
flotilha no mês que vem, com os velejadores Laseristas: Assis, Rodrigo, Diego, Elvis.

Esperamos que mais velejadores dessas classes que estão com barcos guardados ja faz muito tempo se empolguem e venham participar desse movimento de renascimento da vela no Iate.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Projeto Vela Social

Na minha ultima visita a Porto Alegre, tive o prazer de encontrar com o criador do Projeto Vela Social, Sergio Binato Pacheco, que se mostrou aberto a ideia de vir a Natal para juntos tentarmos implantar um projeto semelhante por aqui.

Desde 2011 venho acompanhando esse projeto criado na minha cidade natal, Porto Alegre, e que vem tendo muito exito no âmbito social e na formação de novos atletas na vela, que é nossa maior fonte de orgulho Olímpico.

O Projeto Vela Social foi criado em 2004 para beneficiar crianças e adolescentes através do esporte a vela, ja atendeu mais de 900 crianças e formou velejadores de alto rendimento na classe Open Bic.

As crianças tem oficinas de vela e meio ambiente com aprendizado técnico e tático sobre os barcos , regras,  posicionamento,  ângulos de vela, vento equilíbrio e enfim tudo o que o esporte exige para que se possa praticar com eficiência .

Projeto foi reconhecido pela UNESCO, participou do Livro de 25 anos do criança esperança, representou a cidade de Porto Alegre na Expo Internacional de Shangai em 2010, exposição para 70 milhões de pessoas sendo o maior evento do mundo, que durou 6 meses.

Inspirado no Instituto Rumo Náutico, projeto dos campeões de vela dos irmãos Grael, em Niterói, no Rio de Janeiro, que também contou com o apoio do Criança Esperança, Binatto enxerga além do horizonte atual, “Nossa intenção é que, no futuro, se desenvolva o turismo náutico, e que esse projeto tenha atividades capazes de gerar emprego e renda para esses meninos. Para isso ha aulas de marinharia, noções de navegação e carpintaria náutica. Alem de buscar formar futuros campeões da vela."



sexta-feira, 11 de julho de 2014

Barcos, gatos e mulheres

 

QUAL A SINTONIA ENTRE ELES? BARCOS, GATOS E MULHERES TÊM MUITO EM COMUM, A COMBINAÇÃO PERFEITA PARA QUEM ESCOLHE VIVER A BORDO

julho_1

Há quem diga que gatos e mulheres se parecem e se relacionam melhor do que gatos e homens. Realmente, não podemos negar que a sensualidade do gato, a manha e o mistério fazem a alma do felino mais feminina. Estudos já comprovaram que os gatos se dão melhor com mulheres porque gostam dos afagos e mimos que essas lhe proporcionam. Poderia ficar aqui falando sobre lendas, mitologia, religião, tudo que liga gatos e mulheres, mas o propósito da coluna não é este, então partamos para o próximo ponto.

Vendo tantos casais e principalmente mulheres postarem fotos com seus felinos a bordo, decidi fazer uma pequena pesquisa para entender porque gato….

Uma das primeiras que conversei foi a americana Christina Curtin. Ela e o marido tem três gatos a bordo. Chris me contou algo bastante interessante e assustador… Um de seus gatos chegou a anunciar a presença de uma pessoa estranha no barco enquanto jantavam no cockpit. Chris e o marido não deram muita importância e acabaram sendo atacados por um intruso que golpeou Chris seriamente no rosto. Seu esposo conseguiu defendê-los e por sorte, o criminoso caiu na água. Foi um susto e tanto! Chris acabou indo parar no hospital. Hoje eles voltaram a viver a bordo mas com a certeza de que vão sempre prestar mais atenção nos sinais de seus gatos.

Bom, e claro, não poderia deixar de bater um papo com a querida e admirável Izabel Pimentel. Ela e Mimi deram a volta ao mundo, giraram 180 graus com o veleiro Dom, entre outras aventuras ao longo desse desafio que não podemos dizer em solitário, justamente pela presença de Mimi.

Izabel me contou que ganhou Ellen, Mimi para os íntimos, em Aratu, Bahia, quando ela ainda não tinha nem um ano de vida. Mimi logo se adaptou, mas deu alguns sustos em Pimentel.

Certo dia, Mimi caiu no mar. Izabel não tinha motor e acabou jogando a boia de homem ao mar e você acredita que a gatinha, muito calma, subiu!! Bel me contou que Mimi adora ver golfinhos, aves e baleias.

Durante a volta ao mundo, as duas brincavam de jogar bolinhas e dividiam panquecas nas refeições. Quando o mar batia com mais violência, Mimi buscava segurança no olhar de Izabel que respondia acalmando sua pequena marinheira. Aliás, Bel também contou que conversava muito em voz alta com sua gatinha e que aprendeu algo muito especial com Mimi. Aprendeu a dizer “eu preciso de você”!

Histórias assim nos fazem concluir que gatos do mar, além de companheiros, são extremamente adaptáveis e dão muito pouco trabalho.

A americana Sam Dowle vive com seu gato Kalvin a bordo do veleiro Phira, um Compromiss 909. Ela e Kalvin são ingleses e vivem no mar há dois anos e meio.

Assim como Izabel, Sam costuma conversar bastante com Kalvin, que chega até mesmo a dar “beijinhos” quando intimado. O gato também sabe o momento exato de pular do barco quando chegam em uma marina. Uma das coisas bastante interessante é que Sam acredita que o ambiente pequeno e sua relação de intimidade com Kalvin fez com que ele pegasse a rotina mais rapidamente do que se fosse em um apartamento maior. A velejadora também acredita que gatos e mulheres tem uma sintonia especial. Ah! Kalvin tem seu próprio colete salva vidas.

Mas os gatos também são temperamentais e mesmo todos sendo muito adaptáveis, cada um tem seu jeito. Uns mais independentes, outros mais carinhosos e sentimentais.

Cindy Fletcher tem dois gatos a bordo, há quatro anos. Um deles foi batizado de Perkins, justamente a fêmea… Seria uma analogia entre o motor Perkins e o temperamentalismo de uma mulher?! Só quem já passou dificuldades com um Perkins sabe do que estou falando…

Cindy me contou que Perkins fica muito à vontade durante as tempestades e que adora dormir com ela na cabine. Ela e o marido Robert são dos Estados Unidos e vivem no veleiro Tenacy, em Annapolis.

Bem, muitas me confirmaram, gatos são ótimos pescadores, são independentes e não precisam de passeios para fazer suas necessidades.

O alerta maior é para não deixar de limpar a caixinha de areia e o resto será só tranquilidade. Ah! Uma das coisas que os gatos do mar menos gostam é o barulho do motor. Mas todas foram unânimes em dizer que gatos são perfeitos para barcos, não dão trabalho, são companheiros e independentes, a companhia perfeita durante uma navegação, pois não são tão carentes como os cães.

Acho que agora terei que fazer um texto sobre os cachorros do mar. Não me sinto justa defendendo só os felinos! E também há quem ache um cão a companhia perfeita a bordo.

Marcela Rocha é instrutora de mergulho, jornalista, locutora de rádio, velejadora nas horas vagas.

Veja as fotos destas mulheres e seus felinos:

Postado por Marcela Rocha Na Revista Náutica

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Impulso à economia de Florianópolis com o setor náutico

Enquanto em Natal ja se passaram quase dez anos do projeto de implantação de uma marina, e continuamos perdendo uma oportunidade econômica imensa devido a nossa posição geografica no caminho para o Caribe, no sul e sudeste as marinas criam empregos e aumentam o turismo a cada ano.


Diversas atividades econômicas de Florianópolis estão ligadas ao mar pelo fato de o município abrigar belíssima ilha e praias continentais. Mas é possível agregar ainda mais valor, especialmente com o setor náutico. Essa virada será possível com a instalação de quatro marinas que estão em fase de licenciamento. Segundo o prefeito Cesar Souza Junior, o executivo municipal está finalizando os projetos e vai solicitar ao Serviço do Patrimônio da União (SPU) e a órgãos ambientais licanças para instalar uma marina na altura do trapiche da Beira-mar Norte e outra em área continental, ambas flutuantes, o que significa baixo impacto ambiental. Além disso, há dois projetos privados avançados, o da marina do hotel da Ponta do Coral, também flutuante, e o da Ponta do Ataliba, na área continental, perto do Parque Coqueiros, que será no Litoral e terá complexo de lojas e restaurantes.
Veja a matéria completa em nosso site:
http://www.nauticatotal.com.br/cotidiano/2699-impulso-a-economia-de-florianopolis-sc

O Furioso esta quase na água

Para quem acompanhou, está acompanhando ou quiser dar uma olhada no trabalho do Jorge Dias de Curitiba, no blog Veleiro Furioso que segundo ele “não tem a intenção de ser um manual de construção apenas o relato da diversão, agruras e desventuras da empreitada”, tem toda a historia e as fotos do trabalho que ja esta quase concluido.

Eu sou um dos que esta ansioso para ver esse barco navegando, pra valorizar todo o trabalho que o Jorge e sua familia tiveram ao longo desses quase cinco anos, que completarão agora em Julho.

Espero o dia de ver o Furioso chegando a Natal numa REFENO quem sabe e podermos comer um churrasco pra fechar essa comemoração, junto com meu amigo Eduardo que é seguidor desde o principio da obra e foi quem me indicou o Blog do Furioso.