Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


sexta-feira, 30 de abril de 2010

CCN-CRUZEIRO COSTA NORDESTE

Depois de quase uma semana de mistério foi lançado nesta Quarta-Feira, 28/04, no Iate Clube do Natal o 1º Cruzeiro Costa Nordeste – CCN, uma iniciativa dos velejadores Hélio Milito ( veleiro 2×1 ), Adaury ( veleiro Dianteiro ) e Nelson ( Veleiro Avoante ). O CCN larga de Natal dia 1º de janeiro de 2011 em direção a Salvador, com paradas nas cidades de Cabedelo, Recife, Cabo de Santo Agostinho e Maceio. O objetivo é o mesmo do seu irmão mais velho e famoso o Cruzeiro Costa Leste, que é o incentivo a velejadores sem muita experiência em viagens de longo curso a se juntarem em flotilha com velejadores mais experientes, e assim realizarem um cruzeiro pela costa do nordeste brasileiro. Ao longo do percurso, a flotilha espera receber a adesão de velejadores dos Estados visitados até chegar a Bahia. O Cruzeiro Costa Nordeste vai ser aberto a veleiros a partir de 20 pés que estiverem de acordo com as normas de segurança da Marinha do Brasil, que também fará vistoria em todos os veleiros participantes. A segurança, o companheirismo, a preservação do meio ambiente e o espírito de aventura são exigências básicas a todos os participantes do CCN. A organização do CCN vai manter contato com a ABVC no sentido de ter a entidade representativa dos velejadores de cruzeiro como parceira e assim engrandecer cada vez mais o evento. Um site já esta sendo montado e em breve vai esta no ar, onde os interessados poderão fazer suas inscrições e acompanhar todas as novidades. A logomarca do CCN vai ser lançada até o dia 10 de Maio e será uma criação do artistas plástico e velejador Flávio Freitas, o mais premiado artista plástico do RN. Portanto se você é velejador, ou gosta de velejar e estava sem ideias para o próximo verão, pode começar a preparar o barco, a família, os amigos, o chefe, os companheiros de trabalho, o gerente do banco e aquele vizinho chato, porque em Janeiro é a sua vez de ganhar o mar

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Técnicas de fundeio

Saber fundear uma embarcação corretamente parece fácil, mas se não soubermos algumas técnicas de segurança, podemos viver momentos difíceis a bordo ou até mesmo perder nossa embarcação. Existem na literatura vários textos explicativos sobre o assunto. No entanto, vale a pena lembrar não é? Eu li este artigo em um site e duas das três técnicas descritas já foram usadas por mim em um fundeio na Ilha de Paquetá, RJ onde entrou um Noroeste daqueles. O veleiro na época era um Velamar 24 (Conto de Areia), ele apenas caturrava muito mas não saiu do lugar. Ainda, as marinas deveriam levar em conta estas tabelas abaixo na hora de fabricarem as poitas. Espero que leiam pois é importante. Abrçs, Luís.
A continuação desta materia esta no link abaixo.


http://veleirobigrider.blogspot.com/2010/03/tecnicas-de-fundeio.html
.
.

O barco do quinto dos infernos

No período colonial, o "quinto" era o imposto cobrado pela Coroa Portuguesa correspondente à quinta parte (20%) do ouro, prata e diamantes extraídos do solo brasileiro, especialmente na região de Vila Rica (atual Ouro Preto). Foi a causa da Inconfidência Mineira.

A expressão "quinto dos infernos" tem relação com esse imposto. A nau dos quintos, que transportava o metal correspondente à Coroa, quando retornava vazia ao Brasil, trazia como carga os degradados, expulsos de Portugal. Ir aos quintos - depois transformada em quinto dos infernos - passou a significar ir para longe, para um local inóspito ou desagradável.

Fonte: Olyr Zavaschi, Almanaque Gaúcho, Zero Hora
Postado  no http://www.popa.com.br/

Mais de 12 metros de ondas na proa de Jessica Watson

Apesar de já estar perto de casa, a velejadora australiana Jessica Watson, de 16 anos, enfrentará as piores condições de mar na viagem para bater o recorde de circun-navegação em solitário e sem assistência. Velejando a oeste da Tasmânia, Jessica navegará em um mar péssimo hoje, por conta de um grande sistema de baixa pressão que alcançou a região ontem. Nesta quarta-feira à noite a altura máxima das ondas poderá exceder 12 metros, o que equivale à altura de um prédio de 4 andares. A situação deverá melhorar na quinta-feira, mas o mar continuará difícil de navegar. Em tentativa de aliviar um pouco, Jessica alterou o rumo para o norte, atrasando sua chegada a Sydney. No final da semana, quando o veleiro cor-de-rosa Ella retornar o rumo para a Tasmânia, a navegação será favorável. Veja o track.

Fonte: Yachte, com tradução livre do Popa.com.br

Colaboração: Geraldo Knipling
Postado no http://www.popa.com.br/

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Navegue com Segurança

A revista INFORMATIVO MARÍTIMO – DPC, Nº 4, tras publicado na sua última pagina o artigo escrito pelo amigo velejador Nelson Mattos em Dezembro de 2009, NAVEGUE COM SEGURANÇA, e publicado no Jornal TRIBUNA DO NORTE, coluna DIÁRIO DO AVOANTE. O INFORMATIVO MARÍTIMO-DPC, pode ser visto no site:https://www.dpc.mar.mil.br/Informativo/out_dez09/index_.htm. Vale a pena dar uma olhada no artigo pois estão muito bem colocadas todas as precauções que um comandante deve ter para a segurança de sua embarcação e das pessoas sob sua responsabilidade a bordo.

sábado, 3 de abril de 2010

Esse promete ser dos bons!

Lembram do Sillas que fez contato comigo querendo saber se em Natal tinha escola de vela, pois ele ja fez contato com o Alexandre e promete ser dos bons, pois ja começou divulgandoa vela numa pagina na net.
É bom passar por la e prestigiar, o end. é http://sillas.ponta-negra.com/iatismo.html .

Parece mas não é

.



Parece um super encalhe ou então um naufrágio eminente, mas não é. O veleiro acima navega imbicado desse jeito mesmo, como se quisesse, a todo custo, descer para as profundezas do mar.
Em 2007 o artista parisiense Julien Berthier achou um casco abandonado e o transformou em uma obra de arte que, dizem, foi vendida por algo em torno de £50 000. Ele cortou a proa do barco e colocou uma quilha a 45º. Dá pra notar que um veleirinho transformado em arte agrega muito valor, né?
O Love Love, de 6,50 m, foi exposto em várias galerias e já navegou a motor na costa da Normandia e no Canary Wharf, no rio Tâmisa, em Londres.

Essa é daquelas garimpadas que só o Helio do Maracatu descobre!