Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


terça-feira, 30 de agosto de 2011

Meteorologia no Google

O Google anunciou uma nova funcionalidade do Google Maps que mostra as condições do tempo pelo mundo. O serviço fornece informações como condições climáticas, temperatura, velocidade do vento e até mesmo a quantidade de nuvens no céu. Ao clicar no ícone do tempo em uma determinada cidade, uma janela de informações mostra dados detalhados de umidade e condições de vento, além de uma previsão para os próximos quatro dias. Um painel ao lado esquerdo do mapa permite definir as unidades de medida de temperatura e velocidade do vento. O serviço já está disponível para todos os usuários. Para ver as informações, basta selecionar a camada tempo no canto superior direito do mapa.
Fonte: Metro/JB/Terra
Colaboração: Mauro Rochedo Martinelli, Grupo [POPACOMBR]
Obs: Para ficar perfeito só falta indicar a velocidade do vento também em nós. Para obter um valor aproximado da velocidade do vento em nós, quando indicada em km/h, divida o valor por 2. Por exemplo: vento de 40km/h =~ 20 nós (para o valor exato divida por 1,852).

Postado no Popa

Brasileiro de Kite Surf estreia na Barra de Cunhaú RN

Válida pelo Campeonato Brasileiro de Kite Surf, a segunda etapa do Volkswagen Kite Tour 2011 acontece entre os dias 8 e 11 de setembro em Barra do Cunhaú RN.
O evento, que acontece pela primeira vez na região, reúne novamente os melhores atletas nacionais das categorias Freestyle, Regata e Waves.
No Freestyle, vitória do cearense Eudázio da Silva e da paulista Bruna Kajiya. Já na Regata, os paraibanos Wilson Bodete e Nayara Licarião venceram. No Waves, os irmãos Milla e Fillipe Ferreira garantiram a dobradinha carioca.
Logo depois do campeonato nacional acontece a etapa brasileira do Mundial da PKRA (Professional Kiteboard Riders Association), de 14 a 18 de setembro, com mais de 90 competidores de 17 países, todos competindo na categoria Freestyle.
Entre eles, representando a bandeira verde-amarela, estão Bruna Kajiya (SP) e Reno Romeu (RJ) que, em busca de uma melhor posição no ranking (terceiro e sétimo lugares, respectivamente), irão enfrentar nomes como Youri Zoon, da Holanda e Gisela Pulido, da Espanha.
“Meu foco maior está em subir no ranking do mundial. Por isso, vou entrar no Brasileiro o mais relaxado possível e me divertir, apesar de saber que o nível do Freestyle dos meninos do Ceará está altíssimo”, conclui Reno.
Nesta temporada, o Volkswagen Kite Tour 2011, que oferece R$ 120 mil em prêmios, passará por cinco estados. Depois da etapa cearense e do Rio Grande do Norte, será a vez dos atletas das categorias Wave e Freestyle enfrentarem os ventos fortes de Florianópolis (SC).
Já a disputa no Regata acontece em Ilhabela (SP), de 27 a 30 de outubro. A grande final, que volta a reunir atletas de todas as modalidades, acontece no Rio de Janeiro de 15 a 19 de dezembro.
Fonte: Waves; Foto: Mauríco Val/Fotocom.net postado no Popa

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Cartas náuticas da Bacia Amazônica já podem ser instaladas em aparelhos GPS

Com recurso digital, navegadores conseguem traçar rotas mais seguras para a região
Da Garmin Brasil

Foto: Divulgação

Área de cobertura abrange os principais rios da Bacia Amazônica

A bacia hidrográfica do Amazonas é uma das maiores regiões fluviais do mundo, com 3,8 milhões de km2 e um sistema denso e complexo de rios. Durante anos, a navegação de barcos nessa região era difícil e os pilotos de barcos dependiam de cartas náuticas em papel ou da sua experiência.
Para oferecer mais segurança e prevenir acidentes, a Garmin, líder mundial em equipamentos de navegação, acabou de anunciar o Bluechart Amazônia 2011.5, um exclusivo mapa digital da bacia hidrográfica da Amazônia, que pode ser instalado em qualquer um dos seus navegadores GPS compatíveis.
O Bluechart Amazônia 2011.5 está disponível em duas versões: o g2 inclui a navegação padrão, com todos os detalhes do Rio Amazonas a partir da cidade de Benjamin Constant, no extremo oeste do rio, até o Oceano Atlântico, no extremo leste. Também contém detalhes do Rio Madeira até Porto Velho e porções do Rio Tapajós e Pará. O Bluechart g2 é ideal para dispositivos portáteis e para chartplotters de entrada.
A segunda versão, o Bluechart g2 Vision, contém todas as funções do g2 e oferece características avançadas, como a visão 3D Olho de Marinheiro, visão 3D Olho de Peixe e a inédita função de auto-roteamento, que calcula automaticamente a rota para o destino, levando em consideração todas as restrições relativas às dimensões do barco.
De acordo com o gerente geral da Garmin Brasil, Eduardo Cortez, este lançamento irá trazer grandes benefícios para pescadores, turistas e moradores da região: “Antes do lançamento da nova versão do Bluechart, mapas da região da Bacia Amazônica estavam disponíveis apenas através da tradicional cartografia em papel. Agora é possível navegar através de mapas digitais de alta precisão”.
O Bluechart Amazônia 2011.5 já está disponível em cartões SD/microSD que podem ser facilmente instalados em produtos Garmin compatíveis com cartas náuticas. As revendas autorizadas Garmin possuem o produto para pronta entrega e podem ser encontradas em www.garmin.com.br.

Da Nautica

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Novos horizontes para velejadores do Sul

Evento em Porto Alegre apresentará grande oportunidade para velejar
Imagine sair para velejar, deixando para trás a rotina e as preocupações por alguns meses, navegando só ou na companhia de amigos. Contato direto com a natureza, novas paisagens, convívio com amigos, conquista de novas amizades, realização pessoal. Esta é a proposta que trará a Porto Alegre a ABVC - Associação Brasileira de Vela de Cruzeiro, em encontro no Veleiros do Sul, em Porto Alegre, em 25 de agosto.
O palestrante Ricardo Amatucci, inveterado velejador com grande experiência na organização de cruzeiros de longo curso, apresentará uma visão do que será essa grande aventura, iniciando-se em Porto Alegre e com possibilidade de chegar ao arquipélago de Fernando de Noronha, sempre navegando em grupo. O foco da apresentação de Amatucci, autor do livro “Uma família pela Costa Sul”, será o Cruzeiro Costa Sul, de Florianópolis ao Rio de Janeiro, voltado para quem nunca navegou além das redondezas do clube. Ao longo do percurso do cruzeiro, os velejadores farão escalas de interesse dos participantes.
Esta não será a primeira vez que velejadores gaúchos sairão Brasil afora em seus barcos, a partir de Porto Alegre. Geraldo Link, empresário e velejador gaúcho já falecido, navegou, há décadas, até o Oiapoque. O comandante Ademir de Miranda, o Gigante, saiu de Porto Alegre e atravessou o Atlântico, tendo alcançado o Mediterrâneo em 2009.
O principal atrativo da proposta da ABVC é a navegação em grupo, oferecendo segurança, organização, e diversas facilidades, como fundeio garantido em entidades náuticas ao longo do percurso, auxílio em casos de necessidade e previsões meteorológicas especiais.
Alguns comandantes da região sul já integraram os cruzeiros da ABVC, navegando pela costa brasileira, como Fernando Maciel, Paulo Silveira, Joel Raymundo, Nilson Marques e Ernesto Pires (este último desde Jaguarão, na fronteira com o Uruguai, até Fernando de Noronha), dentre outros.

Participe do evento na próxima quinta-feira e comece a sonhar! 
Depois dessa aventura, Você nunca mais será o mesmo.

O que: Palestra de Ricardo Amatucci / ABVC
Quando: Dia 25 de agosto, quinta-feira, às 20h
Onde: Veleiros do Sul
Público convidado: velejadores de cruzeiro
Ingresso: 1 kg de alimento não perecível ou peça de roupa para distribuição à população carente.
Jantar: Opcional, por R$15,00
Organização: ABVC
Promoção:
Popa.com.br ;
Apoio: Veleiros do Sul
Vagas limitadas: Confirme sua presença pelo e-mail: info@popa.com.br campo Assunto: ABVC

Postado no Popa

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Minuto Yamaha–Lubrificação de motores 4 tempos

Neste programa Minuto Yamaha você entende melhor por que é importante trocar regularmente o óleo e o filtro do seu motor de popa quatro tempos

Pirataria força organizadores da Volvo Ocean Race a redefinirem rotas




Foram 1.181 sequestros no mar em 2010
A falta de segurança causada pela pirataria no Oceano Índico obrigou os organizadores da Volvo Ocean Race 2011-12 a redefinirem as rotas da segunda e terceira pernas do desafio de velejar 39 mil milhas náuticas (70.200 km) ao redor do mundo.
Na segunda etapa, da Cidade do Cabo (África) para Abu Dhabi (Emirados Árabes), e também na terceira, de Abu Dhabi a Sanya (China), os veleiros teriam que navegar por um corredor do Leste da África, no Oceano Índico. No entanto, após consultar especialistas em segurança marítima, os organizadores concluíram que manter o percurso original colocaria as tripulações em alto risco.
Assim, os barcos vão da Cidade do Cabo até um “porto seguro” não revelado e serão transportados mais perto de Abu Dhabi, a partir de onde completarão a perna. O processo será o contrário para a terceira perna, antes da corrida seguir para Sanya. As equipes terão de cumprir dez etapas ao todo. A largada da primeira será dia 29 de outubro em Alicante, Espanha, e a previsão de término é para julho de 2012 em Galway, na Irlanda.
As tripulações permanecem em Abu Dhabi entre 30 de dezembro e 14 de janeiro, em uma vila construída especialmente para receber os velejadores e hospedá-los na virada do Ano Novo, em uma festa que deve receber mais de 100 mil visitantes.
O chefe executivo da Volvo Ocean Race, Knut Frostad, explica:
"Esta foi uma decisão incrivelmente difícil". Temos consultado os principais especialistas da inteligência naval e comercial, e o conselho deles não poderia ter sido mais claro: ‘Não arriscar’. Com a solução que encontramos, nossos barcos ainda vão correr em Abu Dhabi e competir na in-port race lá. Abu Dhabi é uma parte muito importante de nossos planos, sendo um verdadeiro destaque fazer uma parada pela primeira vez no Oriente Médio.”
A pirataria é um negócio bem organizado e altamente lucrativo e que tem se expandido em uma vasta área ao largo da costa da Somália. Em 2010 um recorde de 1.181 marinheiros foram sequestrados por piratas, de acordo com números fornecidos pela agência de intelegência marítima Dryad. Estima-se que US$ 150 milhões tenham sido pagos aos piratas nos resgates de navios, cargas e tripulantes no ano passado.
Leia mais em www.volvooceanrace.com
Informações da assessoria do evento postadas na Náutica

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Torben Grael e Marcelo Ferreira desistem da campanha para Londres 2012 por falta de patrocínio

 

Marcelo Feereira e Torben Grael recebem a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004. Arquivo O Globo.
Sanny Bertoldo

RIO - Não teve festa, nem mesmo algum tipo de despedida oficial. Maior medalhista olímpico do Brasil, o velejador Torben Grael - dono de dois ouros e dois bronzes na classe Star, e uma prata na Soling - desistiu da disputa por uma vaga nas Olimpíadas de Londres-2012 sem fazer alarde, e encerrou um dos capítulos mais vitorioso do esporte nacional.
"Tínhamos um apoio da Confederação, mas estávamos disputando recursos inclusive com meus filhos (Marco, na classe 49er, e Martine, na 470). Aí, não dá". Torben Grael

A decisão, que começou a tomar forma após a etapa da Holanda da Copa do Mundo de Iatismo, em maio, ocorreu em comum acordo com o parceiro Marcelo Ferreira, com quem foi bicampeão olímpico, em Atlanta-1996 e Atenas-2004, e ficou com a prata nos Jogos de Sydney-2000. Sem patrocínio e com a forte concorrência de Robert Scheidt e Bruno Prada, líderes do ranking mundial de Star, a dupla achou melhor interromper a campanha olímpica - apenas um representante de cada classe se classificará para os Jogos. Em 11 no ranking, Torben e Marcelo conquistaram o terceiro lugar no Mundial do ano passado, disputado no Rio, e, este ano, ficaram em terceiro na etapa da Espanha da Copa do Mundo e em sétimo na Holanda.
- Tínhamos um apoio da Confederação, mas estávamos disputando recursos inclusive com meus filhos (Marco, na classe 49er, e Martine, na 470). Aí, não dá. Uma campanha olímpica de alto nível é cara e não tem como ficarmos tirando do nosso bolso. Se é para fazer, tem que ser direito, com dedicação. No fim, eram tantas as adversidades que achamos melhor desistir - explica Torben. - É triste porque, depois de ter contribuído o tanto que contribuímos, não conseguimos mais por falta de incentivo. Mas íamos ter que parar em algum momento. Melhor ser agora.
- Não tinha muito mais o que fazer. Teríamos que estar em condição de igualdade com os outros para poder brigar. Não queremos só velejar, queremos ganhar. E, desse jeito, não dava. O COB comprou um barco para nós, mas só. As passagens, hospedagens, era tudo por nossa conta. Isso foi desanimando - completa Marcelo. - Sinceramente, não faz sentido, por tudo que fizemos, ainda termos que correr atrás de patrocínio. Atleta de alto nível tem que receber esse suporte.
Desde a primeira Regata de Volta ao Mundo com o Brasil 1, em 2005/2006, no qual o barco brasileiro terminou em terceiro, a dupla já não se dedicava 100% à classe Star. Torben, inclusive, abriu mão da campanha olímpica de Pequim-2008 para disputar sua segunda Volta ao Mundo, dessa vez como comandante do barco sueco Ericsson, com o qual foi campeão, em 2008/2009. Um dos mais respeitados velejadores do mundo, ele também é reconhecido por sua atuação na America's Cup, a mais tradicional competição oceânica, da qual foi campeão em 2000 e ficou em segundo em 2007.
Segundo ele, terem ficado um tempo afastados da Star e estarem no fim da carreira olímpica dificultaram a busca por patrocínio. No entanto, afirma, a situação é sintomática.
- Eu fico chateado nem é por nós. Claro, gostaríamos de fazer mais uma campanha olímpica. O problema maior é que, a um pouco menos de cinco anos para as Olimpíadas no Brasil, a gente ouve falar sobre obras de infraestrutura, mas pouca coisa mudou no esporte - alerta Torben. - A palavra legado já ficou banalizada, mas a principal vantagem de se realizar uma Olimpíada aqui seria mudar a prática esportiva no país, mas isso parece muito longe de acontecer.
Aos 51 anos, Torben não tem planos de se afastar do esporte. Embora já não veja mais tempo hábil para disputar uma terceira Volta ao Mundo - a próxima edição começará dia 29 de outubro, na Espanha -, ele não descarta participar da seguinte. Por enquanto, entre seus compromissos está a Mitsubishi Sailing Cup, que reúne veleiros oceânicos de 40 pés (12,3 metros de comprimento), e terá sua terceira etapa no Rio, entre 1 e 4 de setembro.

"A palavra legado já ficou banalizada, mas a principal vantagem de se realizar uma Olimpíada aqui seria mudar a prática esportiva no país, mas isso parece muito longe de acontecer". Torben Grael.
Postado no bolg de Axel Grael

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Japão: imagem mostra fenda de 80 m criada no mar após tremor

Imagem divulgada na segunda-feira foi registrada no dia 4 de agosto


A Agência de Ciências e Tecnologia Marinha e Terrestre do Japão divulgou nesta segunda-feira a imagem de uma rachadura de pelo menos 80 m de comprimento e um 1 m de profundidade que teria sido aberta no fundo do mar na costa de Sarnriku, no leste do país, após o terremoto do dia 11 de março.
Entre os dias 30 de julho e 14 de agosto, a agência empregou o veículo submersível Shinkai 6500 para conduzir pesquisas a 3,2 km e 5,3 km de profundidade com o objetivo de pesquisar o impacto no fundo do mar causado pelo terremoto.
O desastre deixou mais de 20.400 mortos ou desaparecidos no Japão, e desencadeou a pior crise nuclear do mundo em 25 anos em Fukushima
Fonte: Terra; Foto: Reuters, postado no Popa
Colaboração: Ivandel de Lourenço

domingo, 14 de agosto de 2011

Trilha do ITUSCA

Mais noticias do veleiro ITUSCA,acompanhe a trilha desde Natal até Kourou na Guiana Francesa.

Trilha do ITUSCA

O MAIOR VELEIRO JÁ CONSTRUÍDO

 

Em setembro de 2010 a Dream Ship Victory assinou um contrato com Dykstra & Partners para a construção do Veleiro Dream Symphony que tem design de Ken Freivokhe será o maior veleiro já construído com 462 pés de comprimento.

O projeto e conceito foram apresentados ao mundo náutico no Monaco Yacht Show, e sua a construção já teve inicio.

Este veleiro, não somente será o maior do mundo, como também está sendo construído em madeira. O Estaleiro Dykstra & Partners está localizado na Turquia e é especializado em construção em Yachts de madeira. É um estaleiro que mistura alta tecnologia com técnicas artesanais, e está sempre aberto para contratação dos melhores artesãos em madeira do mundo, além de vários outros tipos de técnicos.

Para maiores informações visitem:

Dream Ship Victory: www.dsvyachts.com
Dykstra & Partners: www.gdnp.nl
Ken Freivokh Design: www.freivokh.com

Postado num blog bem interessante que acabo de me tornar seguidor chamado VELEIRO BELLA MAR

sábado, 13 de agosto de 2011

Noticias do veleiro ITUSCA

itusca loc

Embarcação
Veleiro ITUSCA
Última Posição  13/8/2011 20:38:32
Latitude
5° 16'50,00"N       Longitude  52° 35'8,00"W

Visualizar no Google Maps

Alerta do velejador Orion Costa no FaceBook

Shell busca conter vazamento de petróleo no Mar do Norte

Gravidade do derramamento de óleo ainda está sendo investigada pela empresa

A petrolífera Shell trabalha para conter um vazamento de petróleo no Mar do Norte. O anúncio foi feito por um porta-voz da empresa anglo-holandesa, nesta sexta-feira. "Nós descobrimos um vazamento de petróleo em um oleoduto entre um poço e uma plataforma de produção", disse Wim van de Wiel, em Haia. Segundo ele, o vazamento foi identificado na última quarta-feira, próximo à superfície, na plataforma Gannet Alpha, a cerca de 180 quilômetros a leste da cidade escocesa de Aberdeen.

"Controlamos o vazamento de forma significativa, e estamos tomando outras medidas para isolá-lo. O poço submarino foi fechado, e o duto foi despressurizado", disse um porta-voz da empresa.

A gravidade do derramamento de óleo ainda está sendo avaliada. Um submarino de controle remoto foi enviado ao local para avaliar os danos. O fluxo de petróleo foi interrompido logo em seguida, para diminuir a pressão dentro do oleoduto e diminuir o fluxo de petróleo que vai poluir as águas marinhas, informou Wiel. Segundo ele, um helicóptero e um navio com equipamentos para controlar derramamentos foram também mandados ao local. “Nosso principal foco é ser ambientalmente responsável”, acrescentou.

Um dos poços do campo de Gannet, 180 quilômetros a leste de Aberdeen (na Escócia) foi fechado, mas a Shell não especificou se a sua produção foi afetada. O campo pertence à Shell e à americana Exxon, mas é operado apenas pela empresa anglo-holandesa. Um documento no site da Shell diz que as plataformas do campo de Gannet têm capacidade para exportar 88.000 barris de petróleo bruto por dia.
(Com agência France-Presse e Reuters),postado na Veja

 

 

     E AINDA QUEREM EXPLORAR PETRÓLEO EM ABROLHOS.ONDE ESTÃO AS INSTITUIÇÕES DE PROTEÇÃO AMBIENTAL????????

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Esse é um blog sobre vela e velejadores de todos os tipos

Um carro a vela "navega" por uma tempestade de areia no deserto do Saara

Um carro a vela encara bravamente uma tempestade de areia no deserto do Saara. O grande mar de areia se estende por 8,5 milhões de quilômetros pelo norte da África, com um comprimento de aproximadamente 4.800 quilômetros entre o Atlântico e o Mar Vermelho. Sua travessia já incitou muitos exploradores, que enfrentaram tempestades, tribos hostis, sede e um calor insuportável para viver uma aventura de proporções épicas.
Fonte: National Geographic; Foto: Jonathan S. Blair

Postado no Popa

Quarta especial com palestra e aniversário

Na ultima quarta feira,dia 03 fomos brindados pelo nosso amigo artista plastico e velejador Flavio Freitas, com uma palestra sobre o festival de arte em que ele esteve presente no Canada e tambem tivemos o prazer de festejar o aniversario da amiga fotografa oficial de nossas festas e velejadora Lucia Saraiva. Tendo terminado com o costumeiro encontro etílico-gastronômico.

ITUSCA 026ITUSCA 027ITUSCA 028ITUSCA 029ITUSCA 030ITUSCA 031ITUSCA 033ITUSCA 034ITUSCA 036ITUSCA 038ITUSCA 040ITUSCA 041

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Velejador sobrevive ondas de 9 m e ventos de 90km/h e é resgatado

Um velejador canadense foi resgatado nesta terça-feira depois de sofrer uma pane em seu iate quando navegava em direção às Ilhas Canárias, ao sudoeste da Austrália. O motor da embarcação falhou quando Paul Lim, 62 anos, tentava superar uma zona marítima com ondas de 9 metros de altura e ventos de 90 km/h, no Oceano Antártico. Lim, que emitiu um pedido de socorro na segunda-feira, foi resgatado hoje em bom estado de saúde.
Fonte: Terra 
Foto: Australian Maritime Safety Authority

Postado no Popa

domingo, 7 de agosto de 2011

Brasil terá uma associação de Veleiros Clássicos

Primeira reunião será na próxima sexta-feira no Rio de Janeiro

Velejadores estão se unindo para formar a Associação Brasileira de Veleiros Clássicos (ABVClass). A primeira reunião para tratar do assunto está marcada para as 18 horas da próxima sexta-feira, dia 12, na sala do Departamento de Vela do Iate Clube do Rio de Janeiro, um dia antes da regata para Paquetá, em comemoração aos 80 anos do Cristo Redentor.
Eduardo Régua, comandante do Cairu II, um veleiro Classe Brasil de 1949, conta que essa primeira reunião tratará, entre outros assuntos, da estrutura da associação, das funções e estatuto, dos grupos de barcos elegíveis para poderem ingressar na entidade, dos tipos de eventos a serem organizados e seus critérios.
“Nosso objetivo é fortalecer a classe, flexibilizando as restrições e buscando um critério justo para equiparar potencialmente os barcos nas raias. Até que a Associação se fortaleça, nosso objetivo é reunir os interessados para resgatar a historia desses veleiros”, explica Eduardo.
Também envolvido com a formação da ABVClass, o velejador Lars Grael explica que a especificação de um barco clássico no Brasil foi bastante simplificada para que se consiga reunir um volume razoável de embarcações nos primeiros anos de associação. Assim, veleiros clássicos são considerados os construídos e/ou projetados e mantidos em sua configuração original até dezembro de 1969, enquanto antigos são os veleiros de janeiro de 1970 até dezembro de 1979. “Os critérios serão anualmente avaliados pela comissão técnica e assembleia da ABVClass”, informa Lars.

Por Jeni Andrade postado na  Náutica

Antes de naufrágio, Índia resgata toda a tripulação de um navio

Helicóptero da Marinha indiana fez o resgate da tripulação do navio panamense MV Rak Carrier enquanto ele afundou, na costa de Mumbai. A embarcação de 220 metros de comprimento que transportava 60 mil toneladas de carvão da Indonésia para a Índia naufragou depois que seus 30 tripulantes foram resgatados.
Os tripulantes resgatados do navio panamense foram levados para outra embarcação, o MV CGA CGM Puget.
Fonte: Terra. Postado no Popa

Navio da Armada Invencível descoberto ao largo da Irlanda

A operação envolveu 130 navios artilhados e 19 295 soldados

Arqueólogos marinhos dizem ter descoberto destroços de um navio espanhol da Armada Invencível, ao largo da costa do condado de Donegal, na Irlanda. A embarcação naufragou no século XVI no âmbito da tentativa - frustrada - de invasão da Inglaterra coordenada pelo rei Filipe II.
A expedição com destino a Inglaterra teve início em 1588, com participação portuguesa, numa altura em que Portugal se encontrava sob domínio filipino. A missão da célebre Armada Invencível era invadir a Inglaterra através do Canal da Mancha.
Os fortes temporais e a resposta de barcos incendiários ingleses à chamada Armada Invencível estancaram o avanço espanhol, com apenas 53 barcos dos 130 que se fizeram ao mar – inicialmente com dezenas de milhar de soldados, marinheiros e remadores a bordo - a regressarem a Espanha. Centenas de tripulantes morreram no âmbito da operação e várias embarcações de proveniência portuguesa naufragaram.
Um dos navios afundados foi agora encontrado em águas “relativamente pouco profundas” da zona de Rutland Sound, anunciou esta sexta-feira o governo irlandês.

O ministro da Cultura e do Património da Irlanda, Jimmy Deenihan, já fez saber que o Estado concederá um fundo para os arqueólogos explorarem a zona.
O político acredita que estas investidas submarinas poderão fornecer “muitas informações sobre a vida a bordo e sobre a realidade dos recursos militares e navais disponíveis para a campanha da Armada”, disse hoje o ministro à Radiotelevisão Irlandesa (RTE).
Jimmy Deenihan descreve esta descoberta - não inédita - como significativa “não só para a Irlanda, mas também para as comunidades arqueológicas, históricas e marítimas internacionais”.
Fonte: Público, Portugal;
Foto: Defeat of the Spanish Armada, de Philipp Jakob Loutherbourg o Jovem (National Maritime Museum, Greenwich Hospital Collection)

Postado no Popa

sábado, 6 de agosto de 2011

Casal Avoante a caminho do Caribe

Na madrugada deste sabado o casal Avoante, junto com os amigos Bira e Guilherme, partiram no veleiro ITUSCA comandado pelo Zanellinha, no rumo de Trinidad & Tobago.

Como ja é tradição, ninguem parte para uma travessia numa sexta feira,então eles esperaram pela madrugada de sabado quando tambem entraria um vento favoravel.

Ficamos na torcida para que façam uma otima viagem e aproveitem bastante os dias que permanecerão naquela região, e, quem sabe  em breve vejamos o Avoante apontar sua proa naquela direção.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Festa e disputa na Regata Dragão do Mar

As velas do Mucuripe, em Fortaleza CE saíram na manhã do último domingo para celebrar a coragem e a destreza dos jangadeiros. Longe de atrapalhar, a chuva e a mudança dos ventos deram ainda mais emoção para a Regata Dragão do Mar, realizada desde 2009.
Pelo segundo ano consecutivo, a jangada Gabi venceu a competição. Em segundo ficou a jangada Shalom e a terceira colocação foi conquistada pela jangada Ipu. A chuva e o tempo nublado atrasaram em cerca de meia hora a partida das 50 embarcações da enseada do Mucuripe, mas não diminuíram o ânimo e a disposição das equipes.
Os competidores iniciaram o percurso triangular com sol, mas logo o tempo fechou novamente. A cada curva, momentos de emoção por conta da proximidade das jangadas e a necessidade de se reposicionar a cada mudança do vento, levando a uma alteração constante na segunda e terceira posições.
Até a terceira boia, a jangada TT liderava com folga a regata, mas precisou fazer um giro muito aberto até a reta final e perdeu posição para a jangada Gabi, que atravessou tranquila a linha de chegada seguida pela Shalom. O terceiro lugar teve disputa acirrada entre as jangadas Raquel e Ipu, mas esta acabou levando a melhor.
Os vencedores foram cumprimentados pelos turistas, familiares e jangadeiros, que aguardavam a chegada dos jangadeiros na Praia do Náutico. Mesmo para quem não ganhou, o sentimento era de alegria por ter completado o percurso. A equipe vencedora recebeu troféu e prêmio de R$ 2,5 mil.
"Foi um sufoco grande, porque o vento mudava a todo momento, sem falar que a gente precisava ter muito cuidado para não bater nos companheiros", comemorou o jangadeiro Eloildo Ribeiro, mestre da jangada campeã, Gabi. A Regata Dragão do Mar foi iniciada em 1971 para celebrar a luta diária dos jangadeiros. Trinta anos depois, parou por falta de apoio, mas foi retomada em 2009.
Fonte: Diário do Nordeste; Foto KidJr,postado no Popa

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

AC45 White Tiger do Team Korea capota durante treinamento em Lisboa

Foto: Divulgação

Escalando o catamarã

O Team Korea, equipe da Coréia do Sul para a America´s Cup, está treinando em Lisboa para a America´s Cup World Series, que acontece entre os dias 6 e 14 de Agosto na cidade de Cascais. Enquanto os tripulantes se dedicavam a manobras complicadas com um vento de 18 nós, o catamarã da equipe capotou. O barco de apoio foi muito rápido no resgate e ninguém ficou ferido.
O capitão do Team Korea Chris Draper disse que o barco não sofreu nenhum dano e como nenhum tripulante ficou ferido a sessão de treinamento continuou sem problemas.
Os espectadores que estarão em Cascais durante a America´s Cup World Series pode esperar regatas com muita ação.

Da Náutica