Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Aleixo Belov inicia sua 4ª volta ao mundo a partir de janeiro com tripulação de jovens

                                                             --0--

Aos 67, velejador baiano de origem ucraniana, vai dar a 4ª volta ao mundo. Dessa vez ele não viaja sozinho. Belov construiu um Veleiro Escola, batizado de “Fraternidade”, especialmente, para dividir a sua longa experiência no mar com jovens brasileiros, dispostos a encarar esta aventura pelos oceanos.

Rotas de Viagem
Como o objetivo é ser uma viajem educativa a bordo de um veleiro escola, para passar adiante o que aprendeu, Belov dará preferência às rotas por ele conhecidas e passando nos melhores lugares descobertos durante as sua três voltas ao mundo.

Rota 1: Mar do Caribe, Panamá, Equador, Galápagos, Polinésia Francesa, Nova Zelândia, Austrália, Indonésia, e então poderá descer pelo Índico Sul para a costa da África, Madagascar, Durban, contornar o Cabo da Boa Esperança, Cape Town, Santa Helena e depois Brasil.

Rota 2: Começa igual a Rota 1, e a partir da Indonésia subir para o Índico Norte, Sirilanca, Índia, Golfo Pérsico, Aden e tentar chegar ao Mar Vermelho contornando a Somália (cheia de piratas), Sudão, Egito, Canal de Suez, Chipre, Istambul na Turquia, Mar Negro, Odessa na Ucrânia, voltar ao Mar Mediterrâneo, Grécia, Itália, Tunísia, Espanha, Ilhas Baleares, Gibraltar, Ilhas da costa da África e Brasil.


Por Lívia Rangel
Da Via Press Comunicação na www.nautica.com.br