Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


sábado, 12 de dezembro de 2009

Nova Zelândia quer evitar desastre ecológico na Antártica por turismo


A Nova Zelândia considera necessário impor novas regras aos navios turísticos que visitam a Antártica para prevenir um desastre na região mais remota do mundo, afirmou o ministro das Relações Exteriores, Murray McCully.
"Estou muito preocupado porque, a não ser que tomemos medidas, teremos um grave dano marítimo por causa dos navios turísticos na Antártica, e enfrentaremos um desastre humanitário e meio ambiental", afirmou McCully.
Wellington recebe a partir desta quarta-feira uma reunião de três dias de 80 especialistas dos 47 países integrantes do Tratado Antártico, que debaterão novas regras para os barcos turísticos que visitam a região.
McCully afirmou na reunião que quatro embarcações encalharam nos últimos três anos e lembrou que 154 pessoas tiveram que ser resgatadas por um navio depois que o "Explorer" canadense afundou, após um choque contra um iceberg em 2007.
"Tivemos sorte. Não perdemos ninguém naquele incidente, mas o fato de não termos consequências mais graves se deve maos à boa sorte que a uma boa gestão", afirmou o chanceler.
O número de visitantes anuais em barcos turísticos quadruplicou nos últimos 15 anos, chegando a 46.000.
O encontro deve resultar em recomendações sobre o tipo de embarcações que podem ser usados em águas antárticas. Também deve se pronunciar sobre questões ambientais, assim como sobre a possibilidade de proibir o uso de combustível pesado.
Fonte: Terra postado em www.popa.com.br