Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


terça-feira, 23 de março de 2010

Barco feito com 12 mil garrafas plásticas inicia jornada

Um barco feito de 12 mil garrafas plásticas partiu neste domingo em uma jornada da cidade americana de San Francisco até a capital australiana Sydney. O objetivo da viagem, que deverá durar três meses, é chamar a atenção para o problema da poluição nos oceanos.
O ambientalista e herdeiro do setor bancário David De Rothschild e sua tripulação partiram no catamarã Plastiki.
A jornada de 11 mil milhas náuticas passará pelo local conhecido como "grande depósito de plástico do Pacífico", uma massa de lixo cinco vezes maior do que a Grã-Bretanha.
Quatro em cada cinco garrafas plásticas acabam em depósitos de lixo, segundo a ONU (Organização das Nações Unidas). Rothschild, de 31 anos, já completou expedições aos dois pólos e várias florestas.
"Viajando a 2.0 nós ummm! Há muito oceano pela frente!", disse Rothschild em sua página no site de mensagens Twitter. "Acabamos de avistar nosso primeiro lixo marinho - um copo de plástico!"
Reciclando
As 12 mil garrafas plásticas usadas no Plastiki foram recheadas com dióxido de carbono para tornar a embarcação durável e permitir que flutue.
O catamarã usa energia solar, eólica e turbinas marítimas.
É possível ver as 12 mil garrafas ao redor do barco (Imagem/EFE)
Uma bicicleta ergométrica será usada para carregar os laptops que serão usados a bordo e há também um banheiro que transformará detritos em adubo e um jardim para que vegetais possam ser plantados.
Críticos dizem que a expedição apenas perpetua a crença de que é aceitável usar plástico se as pessoas reciclarem o material, ao invés de encorajar o fim do uso.
Eles também dizem que se o Plastiki quebrar no meio da jornada, depositará milhares de garrafas diretamente no oceano.
Fonte: BBC Brasil; Foto Getty Images
Postado no http://www.popa.com.br/