Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Tobago


Ancoramos em frente a Scarborough  e fomos dar entrada no pais, demos uma volta nos arredores do porto e fomos matar a curiosidade de comer os tais frangos fritos e apimentados que é o lanche mais vendido por lá. Voltamos ao barco e abrimos um champagne para comemorar a chegada ao Caribe e ficamos batendo papo fazendo um balanço da viagem e planejando os próximos dias.
Na manha seguinte partimos para Milford Bay, um lugar lindo onde ficamos ancorados ao lado de outros veleiros ,inclusive um trimarã chamado Micado, com um casal de alemães, que eu já conhecia de uma temporada que eles passaram em Natal .
Todos os dias, depois de um mergulho naquelas águas cristalinas e mornas, tomávamos um café reforçado feito pelo cheff Sergio e saiamos para conhecer outras praias, ir a internet, tomar sorvete. Voltávamos no final da tarde para um almojanta normalmente acompanhado de alguma bebida local que muitas vezes foi decepcionante como no dia da cerveja com limonada que é bastante comum por la ou do Malby uma bebida a base de anis e cravo da índia, que particularmente gostei, mas todos detestaram e fez com que eu virasse alvo de gozações.
Teve um dia que tiramos para uma atividade especial, uma aula de cortes de cabelos, os alunos se esmeraram no aprendizado, o tempo mostrara o resultado.
No domingo dia 13/12 saímos para um city tour com um guia chamado Jeremiah que nos levou para conhecer lugares muito bonitos que sozinhos seria-nos muito difícil conhecê-los, como uma cachoeira, um rio onde tem jacarés selvagens, praias maravilhosas e vistas lindas da ilha; do alto das montanhas. Ficamos sabendo um pouco da historia de Tobago e da sua cultura, colhemos e comemos na beira da estrada cacau, uma das riquezas do lugar e saboreamos pratos deliciosos num restaurante a beira mar chamado de casa da arvore, pois tem uma arvore que fica no meio dele. No final do passeio voltamos para o barco nos trocamos e saímos novamente para assistir a um show de steel band, um som tirado de instrumentos de percussão feitos de lata e tambores de plástico (tipo usados para lixo)que produzem um som tradicional do caribe. Esse show acontece nos domingos a noite e um morador local nos havia convidado,combinamos com o Jeremiah e ele nos levou ate lá. Foi um domingo muito divertido do começo ao fim, pois o show foi ótimo e aproveitamos para dançar bastante.