Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


sábado, 4 de setembro de 2010

Aberta caixa de whisky que passou mais de 100 anos na Antártida


As 11 garrafas foram retiradas da cabana do explorador Ernest Shackleton, na Ilha de Ross, na Antártida Uma caixa de uísque escocês que ficou guardada no gelo da Antártida desde 1907 foi aberta nesta sexta-feira, no Museu de Canterbury, em Christchurch, na Nova Zelândia. As 11 garrafas foram descongeladas após terem sido retiradas da cabana do explorador Sir Ernest Shackleton. O uísque não poderá ser bebido, pois será preservado por sua importância histórica. As informações são da agênciaAP.
Em 1907, Ernest Shackleton participou da expedição Shackleton Nimrod e levou as garrafas de uísque consigo - mas teve o cuidado de embrulhá-las em papel e palha para protegê-las dos riscos da viagem ao continente gelado. Em 2006, a caixa foi encontrada na cabana de Shackleton, em Cape Royds, na Ilha de Ross, perto de McMurdo, e retirada do local em fevereiro deste ano.
A temperatura de -30°C não congelou o líquido no interior das garrafas. Segundo especialistas, que acreditam que o uísque seja de 1896 ou 1897, a bebida estava em ótimas condições. Ela provavelmente nunca foi provada, e sua receita não existe mais. Amostras do uísque passarão por análise para ver se ele pode ser produzido novamente.
Nigel Watson, diretor-executivo da Heritage Trust Antártica, que está restaurando a cabana do explorador, disse que a abertura da caixa foi um processo delicado. A caixa permanecerá em câmara fria e cada uma das 11 garrafas será cuidadosamente avaliada e conservada durante as próximas semanas. Algumas amostras serão extraídas, possivelmente usando uma seringa para passar pelas rolhas de cortiça. Após a retirada das porções, as garrafas serão devolvidas ao local de onde foram retiradas - embaixo do assoalho da cabana de Shackleton na Antártida. 

Fonte: Terra
; Foto: AP
Colaboração: Roberto Gruner


Postado no Popa