Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


sexta-feira, 11 de julho de 2014

Barcos, gatos e mulheres

 

QUAL A SINTONIA ENTRE ELES? BARCOS, GATOS E MULHERES TÊM MUITO EM COMUM, A COMBINAÇÃO PERFEITA PARA QUEM ESCOLHE VIVER A BORDO

julho_1

Há quem diga que gatos e mulheres se parecem e se relacionam melhor do que gatos e homens. Realmente, não podemos negar que a sensualidade do gato, a manha e o mistério fazem a alma do felino mais feminina. Estudos já comprovaram que os gatos se dão melhor com mulheres porque gostam dos afagos e mimos que essas lhe proporcionam. Poderia ficar aqui falando sobre lendas, mitologia, religião, tudo que liga gatos e mulheres, mas o propósito da coluna não é este, então partamos para o próximo ponto.

Vendo tantos casais e principalmente mulheres postarem fotos com seus felinos a bordo, decidi fazer uma pequena pesquisa para entender porque gato….

Uma das primeiras que conversei foi a americana Christina Curtin. Ela e o marido tem três gatos a bordo. Chris me contou algo bastante interessante e assustador… Um de seus gatos chegou a anunciar a presença de uma pessoa estranha no barco enquanto jantavam no cockpit. Chris e o marido não deram muita importância e acabaram sendo atacados por um intruso que golpeou Chris seriamente no rosto. Seu esposo conseguiu defendê-los e por sorte, o criminoso caiu na água. Foi um susto e tanto! Chris acabou indo parar no hospital. Hoje eles voltaram a viver a bordo mas com a certeza de que vão sempre prestar mais atenção nos sinais de seus gatos.

Bom, e claro, não poderia deixar de bater um papo com a querida e admirável Izabel Pimentel. Ela e Mimi deram a volta ao mundo, giraram 180 graus com o veleiro Dom, entre outras aventuras ao longo desse desafio que não podemos dizer em solitário, justamente pela presença de Mimi.

Izabel me contou que ganhou Ellen, Mimi para os íntimos, em Aratu, Bahia, quando ela ainda não tinha nem um ano de vida. Mimi logo se adaptou, mas deu alguns sustos em Pimentel.

Certo dia, Mimi caiu no mar. Izabel não tinha motor e acabou jogando a boia de homem ao mar e você acredita que a gatinha, muito calma, subiu!! Bel me contou que Mimi adora ver golfinhos, aves e baleias.

Durante a volta ao mundo, as duas brincavam de jogar bolinhas e dividiam panquecas nas refeições. Quando o mar batia com mais violência, Mimi buscava segurança no olhar de Izabel que respondia acalmando sua pequena marinheira. Aliás, Bel também contou que conversava muito em voz alta com sua gatinha e que aprendeu algo muito especial com Mimi. Aprendeu a dizer “eu preciso de você”!

Histórias assim nos fazem concluir que gatos do mar, além de companheiros, são extremamente adaptáveis e dão muito pouco trabalho.

A americana Sam Dowle vive com seu gato Kalvin a bordo do veleiro Phira, um Compromiss 909. Ela e Kalvin são ingleses e vivem no mar há dois anos e meio.

Assim como Izabel, Sam costuma conversar bastante com Kalvin, que chega até mesmo a dar “beijinhos” quando intimado. O gato também sabe o momento exato de pular do barco quando chegam em uma marina. Uma das coisas bastante interessante é que Sam acredita que o ambiente pequeno e sua relação de intimidade com Kalvin fez com que ele pegasse a rotina mais rapidamente do que se fosse em um apartamento maior. A velejadora também acredita que gatos e mulheres tem uma sintonia especial. Ah! Kalvin tem seu próprio colete salva vidas.

Mas os gatos também são temperamentais e mesmo todos sendo muito adaptáveis, cada um tem seu jeito. Uns mais independentes, outros mais carinhosos e sentimentais.

Cindy Fletcher tem dois gatos a bordo, há quatro anos. Um deles foi batizado de Perkins, justamente a fêmea… Seria uma analogia entre o motor Perkins e o temperamentalismo de uma mulher?! Só quem já passou dificuldades com um Perkins sabe do que estou falando…

Cindy me contou que Perkins fica muito à vontade durante as tempestades e que adora dormir com ela na cabine. Ela e o marido Robert são dos Estados Unidos e vivem no veleiro Tenacy, em Annapolis.

Bem, muitas me confirmaram, gatos são ótimos pescadores, são independentes e não precisam de passeios para fazer suas necessidades.

O alerta maior é para não deixar de limpar a caixinha de areia e o resto será só tranquilidade. Ah! Uma das coisas que os gatos do mar menos gostam é o barulho do motor. Mas todas foram unânimes em dizer que gatos são perfeitos para barcos, não dão trabalho, são companheiros e independentes, a companhia perfeita durante uma navegação, pois não são tão carentes como os cães.

Acho que agora terei que fazer um texto sobre os cachorros do mar. Não me sinto justa defendendo só os felinos! E também há quem ache um cão a companhia perfeita a bordo.

Marcela Rocha é instrutora de mergulho, jornalista, locutora de rádio, velejadora nas horas vagas.

Veja as fotos destas mulheres e seus felinos:

Postado por Marcela Rocha Na Revista Náutica