Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


domingo, 7 de agosto de 2011

Brasil terá uma associação de Veleiros Clássicos

Primeira reunião será na próxima sexta-feira no Rio de Janeiro

Velejadores estão se unindo para formar a Associação Brasileira de Veleiros Clássicos (ABVClass). A primeira reunião para tratar do assunto está marcada para as 18 horas da próxima sexta-feira, dia 12, na sala do Departamento de Vela do Iate Clube do Rio de Janeiro, um dia antes da regata para Paquetá, em comemoração aos 80 anos do Cristo Redentor.
Eduardo Régua, comandante do Cairu II, um veleiro Classe Brasil de 1949, conta que essa primeira reunião tratará, entre outros assuntos, da estrutura da associação, das funções e estatuto, dos grupos de barcos elegíveis para poderem ingressar na entidade, dos tipos de eventos a serem organizados e seus critérios.
“Nosso objetivo é fortalecer a classe, flexibilizando as restrições e buscando um critério justo para equiparar potencialmente os barcos nas raias. Até que a Associação se fortaleça, nosso objetivo é reunir os interessados para resgatar a historia desses veleiros”, explica Eduardo.
Também envolvido com a formação da ABVClass, o velejador Lars Grael explica que a especificação de um barco clássico no Brasil foi bastante simplificada para que se consiga reunir um volume razoável de embarcações nos primeiros anos de associação. Assim, veleiros clássicos são considerados os construídos e/ou projetados e mantidos em sua configuração original até dezembro de 1969, enquanto antigos são os veleiros de janeiro de 1970 até dezembro de 1979. “Os critérios serão anualmente avaliados pela comissão técnica e assembleia da ABVClass”, informa Lars.

Por Jeni Andrade postado na  Náutica