Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Torben Grael e Marcelo Ferreira desistem da campanha para Londres 2012 por falta de patrocínio

 

Marcelo Feereira e Torben Grael recebem a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004. Arquivo O Globo.
Sanny Bertoldo

RIO - Não teve festa, nem mesmo algum tipo de despedida oficial. Maior medalhista olímpico do Brasil, o velejador Torben Grael - dono de dois ouros e dois bronzes na classe Star, e uma prata na Soling - desistiu da disputa por uma vaga nas Olimpíadas de Londres-2012 sem fazer alarde, e encerrou um dos capítulos mais vitorioso do esporte nacional.
"Tínhamos um apoio da Confederação, mas estávamos disputando recursos inclusive com meus filhos (Marco, na classe 49er, e Martine, na 470). Aí, não dá". Torben Grael

A decisão, que começou a tomar forma após a etapa da Holanda da Copa do Mundo de Iatismo, em maio, ocorreu em comum acordo com o parceiro Marcelo Ferreira, com quem foi bicampeão olímpico, em Atlanta-1996 e Atenas-2004, e ficou com a prata nos Jogos de Sydney-2000. Sem patrocínio e com a forte concorrência de Robert Scheidt e Bruno Prada, líderes do ranking mundial de Star, a dupla achou melhor interromper a campanha olímpica - apenas um representante de cada classe se classificará para os Jogos. Em 11 no ranking, Torben e Marcelo conquistaram o terceiro lugar no Mundial do ano passado, disputado no Rio, e, este ano, ficaram em terceiro na etapa da Espanha da Copa do Mundo e em sétimo na Holanda.
- Tínhamos um apoio da Confederação, mas estávamos disputando recursos inclusive com meus filhos (Marco, na classe 49er, e Martine, na 470). Aí, não dá. Uma campanha olímpica de alto nível é cara e não tem como ficarmos tirando do nosso bolso. Se é para fazer, tem que ser direito, com dedicação. No fim, eram tantas as adversidades que achamos melhor desistir - explica Torben. - É triste porque, depois de ter contribuído o tanto que contribuímos, não conseguimos mais por falta de incentivo. Mas íamos ter que parar em algum momento. Melhor ser agora.
- Não tinha muito mais o que fazer. Teríamos que estar em condição de igualdade com os outros para poder brigar. Não queremos só velejar, queremos ganhar. E, desse jeito, não dava. O COB comprou um barco para nós, mas só. As passagens, hospedagens, era tudo por nossa conta. Isso foi desanimando - completa Marcelo. - Sinceramente, não faz sentido, por tudo que fizemos, ainda termos que correr atrás de patrocínio. Atleta de alto nível tem que receber esse suporte.
Desde a primeira Regata de Volta ao Mundo com o Brasil 1, em 2005/2006, no qual o barco brasileiro terminou em terceiro, a dupla já não se dedicava 100% à classe Star. Torben, inclusive, abriu mão da campanha olímpica de Pequim-2008 para disputar sua segunda Volta ao Mundo, dessa vez como comandante do barco sueco Ericsson, com o qual foi campeão, em 2008/2009. Um dos mais respeitados velejadores do mundo, ele também é reconhecido por sua atuação na America's Cup, a mais tradicional competição oceânica, da qual foi campeão em 2000 e ficou em segundo em 2007.
Segundo ele, terem ficado um tempo afastados da Star e estarem no fim da carreira olímpica dificultaram a busca por patrocínio. No entanto, afirma, a situação é sintomática.
- Eu fico chateado nem é por nós. Claro, gostaríamos de fazer mais uma campanha olímpica. O problema maior é que, a um pouco menos de cinco anos para as Olimpíadas no Brasil, a gente ouve falar sobre obras de infraestrutura, mas pouca coisa mudou no esporte - alerta Torben. - A palavra legado já ficou banalizada, mas a principal vantagem de se realizar uma Olimpíada aqui seria mudar a prática esportiva no país, mas isso parece muito longe de acontecer.
Aos 51 anos, Torben não tem planos de se afastar do esporte. Embora já não veja mais tempo hábil para disputar uma terceira Volta ao Mundo - a próxima edição começará dia 29 de outubro, na Espanha -, ele não descarta participar da seguinte. Por enquanto, entre seus compromissos está a Mitsubishi Sailing Cup, que reúne veleiros oceânicos de 40 pés (12,3 metros de comprimento), e terá sua terceira etapa no Rio, entre 1 e 4 de setembro.

"A palavra legado já ficou banalizada, mas a principal vantagem de se realizar uma Olimpíada aqui seria mudar a prática esportiva no país, mas isso parece muito longe de acontecer". Torben Grael.
Postado no bolg de Axel Grael