Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


terça-feira, 12 de julho de 2011

Sem recursos, veleiro doado à UFRPE está se deteriorando

Parado há cinco meses, o veleiro Liberty seria usado para pesquisas de estudantes do curso de Engenharia de Pesca
Um barco de pesquisas doado à Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) está atracado no Porto do Recife sem nenhuma manutenção. O veleiro Liberty foi apreendido pela Receita Federal e doado à universidade há cinco meses. Mas, desde então, está sem condições de navegar por falta de recursos.
Desde o fim da semana passada o Liberty está no armazém 15 do Porto do Recife. Não é a condição ideal, pois no fim do mês, a UFRPE vai precisar desembolsar em torno de R$ 1 mil por isso e a chegada de outros barcos faz com que ele não possa ficar todo o tempo parado ao lado do cais, como seria mais seguro.
A embarcação tem 27 anos e não navega há tempo.
O veleiro de 15 metros tinha sido apreendido por entrar irregularmente em águas brasileiras. Houve até uma solenidade para marcar a doação, onde participaram os coordenadores do curso de Engenharia de Pesca da Rural. Na ocasião, eles comemoraram o reforço para a formação de alunos e para pesquisas.
Só que desde então o Liberty estava no Cabanga Iate Clube, apesar da UFRPE não ser sócia de lá. Terminou tendo que sair porque havia fila de espera de associados. Do jeito que está hoje, o veleiro não tem condições de navegar.
Ele deve ser colocado num lugar seco, precisa de pintura, recuperação do motor, de cabos de aço, das velas. O serviço para deixá-lo pronto para ser lançado no mar outra vez deve consumir entre R$ 200 mil e R$ 300 mil.
O professor Paulo Travassos (foto 4) disse que a universidade está trabalhando para que o barco volte logo ao mar. “O principal problema é falta de recursos pela universidade. O barco foi doado em meados de fevereiro e, evidentemente, naquela ocasião a universidade não dispunha de recursos para fazer os serviços necessários.”
Ele explicou que pretende conseguir recursos junto ao Governo Federal para por o barco novamente em utilidade até o início do próximo ano. “Nós estamos elaborando um projeto para visitar o Ministério da Pesca principalmente, com o qual nós já temos alguns financiamentos para pesquisas, para tentar recuperar esse barco pelo menos até o final deste ano e no início do ano que vem já começar a usar o barco para pesquisas, para formação de alunos. Essa é a nossa idéia. Esperamos que em fevereiro do ano que vem nós estaremos fazendo a primeira saída para pesquisa de formação dos nossos alunos em aulas de navegação, de oceanografia, essa é nossa idéia e nossa meta”, destacou.
Fonte: pe360graus.com; Fotos: Globo , postado no Popa