Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


sábado, 30 de julho de 2011

Torben Grael vence Tour de France a La Voile com Bertrand Pacé

 

Foto: Jean Marie Liot / TFV

A equipe vencedora, com Torben a bordo, comemora o título

Pelo segundo ano consecutivo o francês Bertrand Pacé conquistou o Tour de France a la Voile, ou a Volta da França a Vela. Pacé e sua tripulação do Sud de France / Languedoc-Roussillon ganharam com a ajuda do tático brasileiro Torben Grael na última etapa da competição. O forte vento Mistral impediu os barcos de competir nas duas últimas regatas barla-sota, em Seyne-sur-Mer no domingo e a equipe comandada pela lenda francesa, que vai liderar o Team Aleph na próxima America´s Cup, nem precisou ir para água para garantir o título.
A 34ª edição da Volta da França a Vela terminou depois de um mês de mar. Mais de 30 regatas, em 12 etapas, que começaram em Dunkerque, na costa francesa do canal da Mancha, e terminaram na Côte D´Azur, no Mediterrâneo, reuniram 16 equipes na categoria principal. Os dezesseis barcos da classe de monotipos oceânicos M34, criada especialmente para o evento, são velozes, modernos, marinheiros e apenas no trecho entre Royan e Gruissan não navegaram. Neste caso, os barcos foram de caminhão do golfo de Biscaia até o Mediterrâneo pra dar continuidade ao tour.
Brigando com o Sud de France esteve sempre o Courrier Dunkerque que terminou em segundo na classificação geral. O terceiro foi o Bretagne Credit Mutuel Elite. O brasileiro Torben Grael se juntou a Pacé nas pernas mediterrâneas da competição No total foram disputadas 34 regatas, e das 13 em que Torben participou o barco esteve em 10 pódios e venceu 5 vezes. Nada mal para um estreante na competição. "Eu fui muito bem recebido pelo Bertrand e o resto da tripulação. O barco não era o mais veloz, mas experiência de todos contribuiu. No final, acabamos vencendo e garantindo o bicampeonato para o time. Foi uma grande experiência!", declarou o maior medalhista olímpico do desporto nacional e da Vela mundial.
A próxima competição de Torben Grael será a segunda etapa da Mitsubishi Sailing Cup em Búzios, RJ, de 11 a 14 de agosto.

Postado em Náutica