Viajar de veleiro



A maravilha de se viajar de veleiro é que basta que se decida ir para algum lugar, tudo que se tem que fazer é levantar a âncora,içar velas e ir embora.Essa sensação de liberdade é fabulosa,é quase como ter asas e voar livremente,basta bate-las.

Helio Setti Jr.

Tem que ir, ver e sentir!


"...Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu, para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor, e o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o seu próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver..."


Amir Klink


quarta-feira, 13 de julho de 2011

Vela adaptada garante mais uma vaga inédita para o Brasil em Londres-2012

Um pais que investe tanto no futebol,pode dar uma olhada nos esportes adaptados que estão levando o nome do pais a um lugar na historia.

Foto: Divulgação

Foi a primeira vez que o Brasil correu nas três classes

A participação do Brasil no Mundial de Vela Adaptada, em Weymouth (Inglaterra), entrou para a história da modalidade. A competição classificatória para a Olimpíada de Londres, em 2012, reuniu os melhores velejadores com deficiência do mundo, entre os dias 30 de junho e 8 de julho, e foi palco da conquista inédita brasileira na classe Skud 18 (tetraplégicos). Dentre cinco vagas, a dupla verde e amarela garantiu a quarta e única para o País.
A disputa foi marcada por estreias. Há dois anos na vela adaptada, Elaine Cunha, 29 anos, foi a primeira mulher a integrar a seleção brasileira. Ao lado do timoneiro Bruno Neves, 25, a atleta velejou pela primeira vez no barco Skud 18 já em Weymouth, para a competição.
“Foi diferente, porque a gente treina num barco mais simples e numa represa que não tem correnteza e o vento é mais fraco. A conquista foi uma surpresa para todos nós, porque era minha estreia e nossa primeira experiência com o barco. Ele é excelente! Bruno e eu nos apaixonamos e estamos animados. O Skud 18 nos permitiu um desempenho melhor por ter uma aerodinâmica boa, mais potente, velas melhores”, enumerou, entusiasmada.
Elaine, que sofreu um acidente de carro há quatro anos, conheceu o esporte adaptado na AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente).
“Aprendi a nadar lá e depois me apresentaram ao remo adaptado. Fiz um ano e depois conheci minha fisioterapeuta, que também é classificadora funcional. Ela me falou sobre a vela e eu me interessei. Isso aconteceu há dois anos e não esperava que em tão pouco tempo eu estaria representando o Brasil numa competição tão grande e menos ainda que iria para uma Paraolimpíada. Foi tudo muito emocionante”, revelou Eliane.
Bruno começou a treinar na vela há dois anos e está bastante animado com a conquista.
“Agora vamos trabalhar para conseguir o mesmo barco para treinarmos com ele aqui no Brasil. O Mundial foi uma experiência maravilhosa e um desafio muito grande. Em um dos dias pegamos um vento de 26 nós. Alguns barcos nem saíram e nós conseguimos completar as duas regatas”, contou o velejador, que treina com a parceira na Represa de Guarapiranga (SP).
O Brasil também participou das disputas nas classes Sonar, com três atletas – Ricardo Messias, Rinaldo dos Santos e Antonio Castro – e na 2.4 mr com Mario Czaschke, além de seis pessoas no staff, entre técnicos, fisioterapeutas e acompanhantes.
“Foi a primeira vez que o Brasil correu nas três classes. Foi uma surpresa conseguirmos vaga na classe Skud 18, que começamos a trabalhar neste ano”, comentou a diretora-secretária da Confederação Brasileira de Vela, Nina Castro.

Da Náutica